Valéria Gurgel
"Ficção, Romance, Emoção, Aventura e suspense"
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
A dentadura voadora que foi pro beleléu!!! “Conto cômico”


Fim de tarde, muito calor, quase 38 graus e ameaças de tempestades.
Ponto de ônibus lotado! Na dura volta prá casa em plena sexta feira, exatamente na hora de pico! Dezessete horas e quinze minutos. Cíntia havia matado a última aula de português, pois queria chegar mais cedo em casa para sair com seu namorado, o Fred, para ir ao aniversário de seu colega. Mas parecia naquele dia, que todas as pessoas haviam saído de casa e tentavam voltar ao mesmo tempo e todas dentro daquele mesmo coletivo, velho, que exalava um forte odor de borracha queimada e combustível. Depois de uma dura espera de mais de quarenta minutos na fila, enfim a porta se abriu e o trocador tentava controlar o empurra-empurra na incansável disputa por um lugar na janela! A jovem com uma gigantesca mochila nas costas, esperta e acostumada passar por aquela aventura todos os dias, não se importava em ser quase triturada naquele coletivo que mais parecia uma máquina de espremer carne humana.
Assim, depois de alguns minutos torturantes, ela conseguiu se sentar bem lá atrás! E ainda dividia o lugar no banco ao lado, com uma senhora bastante obesa. Com duas crianças pequenas sentadas uma em cada um de seus joelhos, a mulher carregava uma bolsa enorme que entornava um caldo insuportavelmente podre , parecia peixe! E um bebezinho que ela insistia em amamentar! O pobre bebê estava todo coberto por um manto azul, e com roupas de lã azul e branca parecia mais uma bandeira do Cruzeiro! Não dava para entender como aquele indefeso ser, ainda conseguia respirar com aquele calor do ônibus. E o pobrezinho envolto a tantas roupas inalando um forte odor que a mulher trazia escondido embaixo de seus sovacos! Mal o coletivo deu partida, já parava no sinal vermelho e podia-se ouvir a galera gritando aflita:
-Vão motô! Anda depressa e não pára mais não! Pois não cabe mais ninguém nessa espelunca! -Mas infelizmente, ele devia cumprir ordens da empresa e a cada ponto que parava, subia dez e descia um! A coisa foi ficando feia e naquele anda pára, pára anda, sobe e desce, e desce e sobe, eis que entrou uma velhinha que foi logo encarando a Cíntia! Intimidando-a à ceder o seu mísero lugar ao sol! E a pobre jovem já nem sabia mais dizer se era melhor sentada, que de pé! Nem pensou, quando pôde perceber que a idosa estava pálida, completamente verde e prestes a desmaiar de tanto calor e foi logo dizendo:
- Minha senhora, -disse ela por educação - Senta aqui! -Logo foi aquela confusão para a outra passageira levantar da poltrona do corredor, para Cíntia sair e poder dar o lugar para a velha.
Foi cutucão de guarda chuva, lambada de bolsa, caldo de peixe escorrendo em seu tênis branco, menino entornado refrigerante no banco do ônibus e picolé de uva derretendo no seu cabelo... E seguia o coletivo pelas avenidas da grande capital...
Quando o veículo pegou um pequeno trecho de estrada de terra, e tudo começou a sacudir, a pobre idosa, num gesto abrupto, abriu a janela de uma vez entrando uma fumaça de poeira que todos engasgaram! E numa ânsia de vômitos ela “chamou o Juca” pela janela! Começou a vomitar, a pobre senhora.
Mas o pior estava por vir... Eis que a sua dentadura saiu voando pelos ares!
E a coitada, começou a gritar:
- Socorro!!! Socoooorrro!!! Parem o ônibus! Parem o ônibus!!! Por favor! -e ninguém sabia ao certo o que estava acontecendo! Todos apavorados, estavam pensando que alguém ali dentro tinha sofrido um treco no coração! O motorista então parou e perguntou:
-O que está acontecendo aí atrás? -a velhinha apavorada dizia chorando:
-A minha dentadura voou pela janela! -E foi aquela risaria dentro do ônibus! Ela desceu e posse a procurar! Procurava aqui... Procurava ali... Procurava acolá... E nada de encontrar a sua dentadura! O povo começou a reclamar:
-Vamos embora moto! Que eu tô com fome!!!E hoje é sexta feira!!! Tenho que tomar a minha cerveja!!! E a confusão se instalou dentro daquele ônibus! Muitos com pena, resolveram descer para ajudá-la a procurar a dentadura que havia desaparecido no meio do mato!
Começava a escurecer e nada da dentadura aparecer! Como a situação ficava cada vez pior com o povo xingando, crianças chorando... Cíntia desceu também para ajudar encontrar a dentadura de Dona Maria Balbina.
Depois de quase meia hora parados no meio do mato daquela estrada de terra, a jovem encontrou a dentadura daquela senhora caída no meio de uma poça d’água suja! Muito agradecida, dona Maria entrou no ônibus, mas não tinha coragem de colocar de volta a dentadura suja na boca! O veículo seguiu viagem e chegou a seu destino.
E para espanto de Cíntia, seu namorado estava a esperando no ponto final.
Ela muito constrangida pelo atraso e pela sujeira em que estava por ter caminhado no meio do barro a procura da dentadura da velhinha, foi logo se justificando! Mas na verdade, o seu namorado estava preocupado era com a avó dele, que havia saído cedo para ir ao médico e ainda não havia voltado! Para seu espanto ela veio a descobrir que a Dona Maria Balbina era a avó de seu namorado! Então, eles resolveram acompanhá-la até a casa que morava.
Lá chegando, Dona Maria lavou a dentadura. Lavou... Lavou... Passou água sanitária, ferveu com detergente e bicarbonato, pois ficou com muito nojo do que acontecera!
Mas ela só não esperava é que a dentadura pudesse entortar! E aí, não conseguia mais encaixar a prótese dentro da boca! Quanto mais insistia, mais vômito fazia! Até que correu para o banheiro e.... A dentadura desceu por água abaixo no vaso sanitário!


Valleria Gurgel
Valéria Gurgel
Enviado por Valéria Gurgel em 15/08/2013
Comentários